557

for the 2015/2016/2017/2018 program at 557 please go to: http://www.solo-shows.com or see below.

2014: one year of talks, performances and book presentations organized in downtown São Paulo

October 11, 2014

Max Jorge Hinderer Cruz – A PRIMA do Hélio

Não é segredo que alguns famosos artistas e intelectuais brasileiros exilados na época da ditadura militar estavam envolvidos de um modo ou de outro em redes de distribuição de substâncias ilegais no exterior, incluindo a cocaína. Porém é chamativo que se encontrem apenas discussões críticas sobre a marginalidade como conjunto histórico-político entre as narrações historiográficas ou nas teorias da arte contemporânea. Max Jorge Hinderer Cruz fala sobre as relações de produção e a cocaína na obra do artista carioca Hélio Oiticica (1937-1980) e sobre seu livro “Hélio Oiticica & Neville D’Almeida: Cosmococa” (2014) escrito em parceria com Sabeth Buchmann e publicado esses dias pela Editora Azougue e Capacete Entretenimentos, Rio de Janeiro.

Hélio Oiticica é um dos mais importantes artistas visuais da segunda metade do século XX. Durante o tempo que morou em Nova York, em parceria com o cineasta Neville D’Almeida, o enfant terrible do cinema de vanguarda brasileiro, Oiticica concebeu as Bloco-Experiências in Cosmococa – programa in progress (1973-74). Mais do que o filme sucessor de Mangue Bangue (1971) de Neville, ideia inicial do projeto, Cosmococa virou uma série de nove ambientes supra-sensoriais, cada um incorporando projeções de slides, trilhas sonoras, desenhos com pó de cocaína e instruções para os visitantes. Estas proposições foram a epítome do que Oiticica chamou de “quase-cinema”, e do seu desejo de fundir a “vida-experiência” individual com a arte. No presente livro, Sabeth Buchmann e Max Jorge Hinderer Cruz analisam o impacto que o underground de Nova York e do cinema de vanguarda brasileiro tiveram nas Cosmococas. E unem a essas influências à poesia concreta e os escritos de Marshall McLuhan, Henri Bergson e outros para apresentar uma análise valiosa das Cosmococas, das suas experimentações com duração, de dissolução de formatos e linguagem.

August 26:

Cibelle Cavalli Bastos
-EPISTEMOLOGY OF THE VOID-
THE POWER OF LETTING GO

Dear reader,

I find that we are indeed living in interesting times, a time where information travels faster than ever, where lies and misrepresentation don’t last long in the public eye due to a collective approach of unearthing the real bones behind each and every situation. Propaganda gets quickly unmasked, ideals of beauty get challenged, ideas of gender get questioned, never before have the people of the world been so actively interacting with each other. We seem to be collectively going into self-reflection, and realize that our structures of knowing are mostly questionable social constructs that have been held in place for decades, or even centuries, through a cocktail of media control, religion, peer-to-peer automatic policing, amongst other things, and all of that: “according to whom?”.

So, as we are firing information at one another, while we are questioning each others information, we perform in front of each other. We too modify and expand our ability to learn. As we continue to hardwire ourselves, the speed of the social media interactions increases exponentially across multiple platforms and we all respond. Text, art, and satirical tumblrs proliferate; questions, desires, anxieties, and unrest trickle down through the web interactions into the physical world, be it through demonstrations of love, protest, consumption, and artistic expression …

Cibelle Cavalli Bastos

July 10:
Antoni Muntadas está em São Paulo:

No âmbito dos quadros sociais, Muntadas investiga os canais de informação
e as formas em que eles podem ser usados ​​para censurar ou promulgar
ideias. A apresentação de Antoni Muntadas aborda questões como a cidade,
eventos e as relações entre espaço publico e privado.

Em um momento em que vivemos a estreita restrição do espaço publico para o
uso comercial em eventos relacionados com a Copa (fan zones etc.), as
questões levantadas por Muntadas tem sido discutidas amplamente. Porém,
mantemos a posição de testemunhos num momento do espetáculo.

Quais são os precedentes e repercussões que estas restrições geram para o
uso do espaço publico na cidade? Como estas restrições e eventos
se manifestam nas linguagens visuais, artísticas, e mídia táticas?

July 1:
“Arte Terra, estratigrafia, e o museu experimental como sonda de pesquisa”
Como o conceito de estratigrafia pode ser utilizado metodologicamente – como uma ferramenta para descobrir, produzir, mapear e exibir as novas formas e múltiplas camadas de conhecimento – em uma investigação artística e literária de uma área rural específica na Suécia: as montanhas do platô de Kinnekulle e Billingen, com seus diferentes estratos geológicos, históricos e culturais?
Partindo de # 63-64 da revista OEI e de seu projeto “Museu Museu Skaraborgs”, Jonas (J) Magnusson e Cecília Grönberg falam sobre Arte Terra e estratigrafia como um dispositivo em práticas de pesquisa artísticos, filosóficos e literários.

”Earth art, stratigraphy, and the experimental museum as research probe”
How can the concept of stratigraphy be used methodologically – as a tool to uncover, produce, map and display new, multi-layered forms of knowledge – in an artistic and literary investigation of a specific rural area in Sweden, the plateau mountains of Kinnekulle and Billingen, with their different geological, historical and cultural strata?
Taking their starting points from # 63–64 of OEI magazine and from their project “Skaraborgs museum museum”, Jonas (J) Magnusson and Cecilia Grönberg will talk about Earth art, and stratigraphy as a device in artistic, philosophic and literary research practices.

June 24:
Kaira Cabañas:
Film Club as Film Material / Cine-clube como material de filme

In her lecture Cabañas will explore Isidore Isou’s and Maurice Lemaître’s films in relation to the ciné-club tradition, a popular educational venue for learning about film. She analyzes how ciné-club debate became a primary material for Lettrist films both on and off the screen. The talk stems from her book Off-Screen Cinema: Isidore Isou and the Lettrist Avant-Garde, forthcoming in October from the University of Chicago Press. Cabañas will present in English.

Em sua apresentação Cabañas irá explorar os filmes de Isidore Isou e Maurice Lemaître em relação à tradição cine-clube, local de educação popular sobre cinema. Cabañas analisa como a debate no cine-clube tornou-se uma matéria prima para os filmes Letristas, dentro e fora da tela. A palestra decorre de seu livro Off-Screen Cinema: Isidore Isou and the Lettrist Avant-Garde, a ser publicado no segundo semestre de 2014 pela University of Chicago Press. Cabañas apresenta em Inglês.

May 9: Pedro Neves Marques está em São Paulo:
“Bicéfala de entrecasca.
Capacete cilíndrico achatado apresentando de um lado uma carantonha protuberante e, do lado oposto, uma outra, mais achatada.
A cara protuberante tem órbitas salientes pretas, sendo o fundo branco pintalgado de preto, enquanto o globo ocular é uma grossa bola de cerol.
A boca mostra quatro dentes arredondados em cada maxilar e entre eles há quatro orifícios que facilitariam ao portador a visão ou a respiração.
O focinho é protuberante, com ventas pronunciadas e as bochechas apresentam-se salientes, cobertas originalmente de tinta branca.
A parte que falta numa das orelhas foi substituída por arame.
A entrecasca das orelhas foi pintada de bege e uma faixa da mesma cor circunda todo o contorno negro da face.
A cara achatada também tem a indicação de bochechas, mas elas não são salientes: um círculo branco indica-as no meio da larga faixa preta que abrange a boca e sobe para a testa onde, logo acima, se estende uma segunda faixa, mais larga, de coloração bege.
Os olhos são redondos, salientes e pretos com fundo branco e bolas de cerol formam as pupilas. As ventas são redondas e salientes.
A boca arreganhada tem fundo branco delimitado por quatro dentes arredondados em campos negros.
A máscara distingue-se por três pares de vergas cobertas de entrecasca que quase emolduram as caras.
A superfície do alto das duas cabeças apresenta decorações em preto, constituídas por o que se poderia chamar de motivos florais, delimitados por meia-luas pretas, contendo ou não círculos sem pintura interna.
A máscara está fortemente retocada de vermelho.”

Leitura de excertos do conto (em processo), Os Jurupixuna, por Pedro Neves Marques, com imagens e um quê de som a acompanhar. Entre Coimbra e Manaus, uma leitura sobre um presente dominado por tecnologias de digitalização e reprodução, e o que acontece quando isso encontra a pragmática indígena e a vida dos objectos.

April 29: Vijai Patchineelam está em São Paulo:
“Como documentar a imagem do protesto? e Como projetar a imagem de protesto?”
sub-item 7.5.: Cooking
Cooking is not allowed in the Academie. The Academie may remove equipment (such as cooking appliances or gas bottles), which indicates that cooking is taking place in the studio after having made a request that it be removed.
Vijai Patchineelam apresenta uma fala a partir da sua residência na Jan van Eyck Academie em Maastricht, os livro de fotos Dia-não (2012) e Aquilo que passa não te pertence (2014), o poster Arrependimento barato não muda de direção, …

April 1: Tobias Kaspar está em São Paulo: Apresentamos a coleção de moda Tobias Kaspar (outono/inverno 2014/2015) durante uma performance coletiva, uma projeção do filme Hydra Life, e dois exemplares da revista PROVENCE.

March 26: Barbara Wagner está em São Paulo: Como se distingue o ‘pop’ do ‘popular’? Não seria a expressão pop de hoje o folclore de amanhã? Filmado em dois dias de performances realizadas no palco do cine-teatro ‘Le Casino’ (conhecido ponto de encontro do Partido Comunista reunionês nos anos 30) na Ilha da Reunião, CINÉMA CASINO introduz as expressões de danças mais populares da ilha através de um jogo simbólico entre história e encenação, herança e adaptação, experiência e observação, memória e imitação, resistência e emancipação. De um lado, gestos e ritmos como o Maloya e o Sega estão historicamente ligados à resistência anti-colonial; de outro, tendências mais alinhadas à indústria de consumo global se manifestam em gêneros como Dancehall, Hip-hop, Zouk, Ragga-love e Coupé Décalé.
Em CINÉMA CASINO, imagens de corpos em movimento sugerem diversas relações entre ‘tradição’ e ‘progresso’ presentes na imaginação de toda uma nova geração que cresce no contexto de economias emergentes. Realizado em novembro de 2013 na Ilha da Reunião (ex-colônia francesa localizada no oceano Índico) e ainda inédito no Brasil, CINÉMA CASINO é o primeiro de uma série de trabalhos em video desenvolvidos pela artista Bárbara Wagner sobre as expressões subjetivas e políticas de formas de dança populares em regiões de acelerado crescimento econômico.

March 18: Nas ruínas do moderno com Vinicius Spricigo: Uma introdução à história das exposições através da apresentação de imagens de arquivo dos displays da Galeria Nacional em Berlim no período de entreguerras e da Documenta de Kassel no pósguerra.

February 27: Meriç Algün Ringborg está em São Paulo: Apresentamos em vinil Harry Plays the Saxophone, e ao vivo, em três capítulos performáticos: Uma versão do manuscrito, gerado a partir do dicionário Oxford, para um novo filme.

February 10: Marcelo Masagão apresenta sua obra em processo ato atalho vento

 

Libidiunga Cardoso
28.3-26.4 2015, SOLO SHOWS, São Paulo
Text
Images

 

Bárbara Wagner and Benjamin de Burca: Faz Que Vai
2.5.-6.6.2015, SOLO SHOWS, São Paulo
Text
Images

 

Fabiana Faleiros: Masturbar
27.6.-1.8, 2015, SOLO SHOWS, São Paulo
Text
Images

 

Yusuf Etiman: Esponja (with contributions by Guilherme Altmayer, Melissa Stabile, Nadja Abt, Susanne M. Winterling, Yorgos Sapountzis)
7.11.-5.12.2015, SOLO SHOWS, São Paulo
Text
Images

 

Tobias Kaspar
3.9-3.10.2015, SOLO SHOWS, São Paulo
Text
Images

 

Andrew de Freitas: 15+ HOBBY IDEAS FOR MEN AND WOMEN
20.3 to 17.4.2016, SOLO SHOWS, São Paulo
Text
Images

 

Vaness Safavi + Pauline Beaudemont: Stick to me Fantasy
8.-15.5.2016, SOLO SHOWS, São Paulo
Text
Images

 

Anne Mie van Kerckhoven: Pseudo Fourier
25.6.-13.8. 2016, SOLO SHOWS, São Paulo
Text
Images

 

Joen Vedel: When Are We Now?/ Quando Estamos Agora?
7.9-15.10.2016, SOLO SHOWS, São Paulo
Text
Images

 

Ursula Boeckler: The Photographs from the Magical Misery Tour with Martin Kippenberger, 1986
11.2. – 11.3.2017, SOLO SHOWS, São Paulo
Text
Images

 

240min!
13.2.2017, Cine Sesc, São Paulo    
Text
Images

 

Pablo Pijnappel: Do Pó Às Cinzas
18.3 – 8.4.2017, SOLO SHOWS, São Paulo
Text
Images                                                                  

 

Karin Schneider: Bispando
18.4.-15.7.2017, SOLO SHOWS, São Paulo
Text
Images

 

Tobias Madison: Crisis Tourism II Crise de Turismo
2.9. – 6.10.2017, SOLO SHOWS, São Paulo
Text
Images

 

Marssares: Salar
21.10– 18.11. 2017,SOLO SHOWS, São Paulo
Text
Images

 

Sidsel Meineche Hansen: MHIYH
2.12.2017 -3.2.2018, SOLO SHOWS, São Paulo     
Text
Images